SEM ESCORREGAR COM CANADA EPI

27 Outubro de 2017

Voltar para notícias


McDonald’s substitui calçados dos funcionários e diminui pela metade o número de acidentes com quedas Em um ambiente onde o atendimento precisa ser rápido, como nas redes de restaurantes fast food, aumenta a probabilidade de as medidas preventivas ficarem em segundo plano. Este é um desafio permanente para a equipe de saúde e segurança do trabalho da Arcos Dourados responsável pela rede de lojas próprias do McDonaId's no Brasil. O esforço desenvolvido nos últimos anos, no entanto, tem mostrado que é possível, sim, aliar produtividade e segurança. Um exemplo bem-sucedido foi a substituição dos calçados utilizados pelos funcionários de operação das lojas. Após apurar que o maior número de acidentes era causado por quedas, a equipe de SST decidiu buscar um calçado antiderrapante e, ao mesmo tempo, impermeável e confortável. O projeto deu início a uma parceria com a fabricante Canada EPI, que, em 2010, havia lançado o modelo Sticky Shoe na Feira Internacional de Segurança e Proteção (FISP). Antes de ser definido como padrão, o novo calçado começou a ser gradualmente adotado e testado em lojas espalhadas pelo Brasil. A equipe de segurança da Arcos Dourados queria saber se o produto conseguiria proteger os trabalhadores em diversas situações, com pisos lisos, molhados, ensaboados ou engordurados. Afinal, essas são características encontradas em áreas operacionais de restaurantes e de manipulação de alimentos – basta lembrar que pisos de cozinhas devem ser lisos justamente para facilitar a limpeza. Os testes começaram em 2014. “Já nos primeiros seis meses registramos redução de 38% no número de acidentes com quedas na regional LET (engloba os estados da Região Sudeste), que é composta por 127 lojas”, conta Bruno Rocha Ayala Rodrigues, da área de Segurança do Trabalho da Arcos Dourados. Ele atuou diretamente no projeto e aponta que os bons resultados obtidos incentivaram à implantação do calçado na regional e depois a recomendação para uso em todo Brasil. Avanços e perspectivas Na regional SOU, que engloba os estados da Região Sul, a diminuição de acidentes com queda foi de 40% na comparação de 2016 contra 2015. Quando se observam os números do segundo semestre de cada um dos dois anos, a redução chega a 50%. "A adoção do novo calçado também reduziu quedas em um mesmo nível. Atualmente, esses casos correspondem a 18% dos acidentes, sendo em sua maioria relacionados a outros fatores que não escorregões, sobre os quais estamos atuando", explica Rodrigues. Segundo ele, a expectativa é que a redução seja ainda mais significativa em 2017, quando será possível consolidar os dados obtidos de toda a rede em âmbito nacional. O combate a acidentes com quedas faz parte de um amplo plano da empresa. "Trabalhamos incansavelmente para reduzir acidentes. Essa essência está no DNA da empresa e dos nossos ambientes de trabalho, por isso, para nós, mesmo um único acidente já é demais", declara Fabio Madrid Lacerda, gerente de Recursos Humanos da Arcos Dourados, responsável nacional pelas áreas de SST e meio ambiente. A meta da companhia em 2017 é diminuir em pelo menos 5% as taxas de gravidade e de frequência dos acidentes. "Lidamos com um público jovem, que, muitas vezes, subestima riscos e isso torna as ações de conscientização importantes. Ao mesmo tempo em que treinamos, buscamos rever procedimentos, ajustar condições físicas dos restaurantes e adotar EPIS mais eficazes", conta Rodrigues. A Canada EPI se colocou à disposição da Arcos Dourados para aprimorar o Sticky Shoe a partir dos testes em campo, tendo doado os lotes iniciais para o projeto-piloto. Até meados dos anos 2000 a empresa, sediada em Estância Velha (RS) fabricava apenas matrizes de sola do para a indústria calçadista, quando decidiu criar a própria linha de calçados. Joanito Marques, diretor da indústria, diz que pensou em criar um calçado feito a partir de polímeros e que reunisse diversas características essenciais: ser antiderrapante, resistente a água, de fácil limpeza e também confortável. Um dos elementos que contribuem para o conforto, segundo o empresário, é a palmilha desenvolvida para o modelo. Ela tem desenho anatômico e absorve até 10 horas de suor dos pés. Para ressaltar o bom desempenho, ele apresenta o laudo produzido pelo Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçado e Artefatos (IBTeC), segundo o qual o Sticky Shoe obteve 94% de desempenho (bastante elevado) em oito critérios que medem o conforto de um calçado. Animado com os bons resultados, o empresário investiu R$ 560 miI recentemente para criar novas matrizes e oferecer os modelos masculino e feminino do produto, em vez de versão unissex até então comercializada. CONTRA QUEIMADURAS Além de evitar quedas, a equipe de Saúde e Segurança do Trabalho da Arcos Dourados tem como desafio reduzir o número de queimaduras. Para alcançar este objetivo, a rede tem adotado o uso de mangotes resistentes a óleo quente.

Marluvas

10 Agosto de 2018

Leia

Mob EPI

01 Outubro de 2017

Leia